Iplan realiza primeira reunião de trabalho do Plano Diretor e do Plano de Mobilidade Urbana

 

Foi realizada na tarde desta quinta-feira (12), na sede do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Ponta Grossa (Iplan), uma reunião entre representantes da Prefeitura Municipal e da Urbtec Engenharia, Planejamento e Consultoria Ltda – empresa responsável pela elaboração dos Planos Diretor e de Mobilidade Urbana.

Esta foi a primeira reunião desde a assinatura do contrato com a empresa. Entre as pautas estiveram a reformulação da equipe técnica municipal e grupo de acompanhamento dos projetos e o trabalho já desenvolvido pela empresa que iniciou a revisão do Plano Diretor, mas rescindiu o contrato com o Município.

O próximo encontro, agendado para o próximo dia 19, deverá tratar do planejamento técnico da elaboração dos projetos e contará com a presença de conselhos municipais, como o da Cidade e o do Transporte.

 

Fonte: https://www.pontagrossa.pr.gov.br/node/39113

Prefeitura assina contrato para revisão do Plano Diretor e elaboração do Plano de Mobilidade Urbana

Por Millena Sartori

Os documentos serão complementares e devem ser finalizados em menos de um ano
Na manhã desta sexta-feira (16) o prefeito Marcelo Rangel assinou o contrato da revisão do Plano Diretor e da elaboração do Plano de Mobilidade Urbana de Ponta Grossa (PlanMob). A empresa responsável pelos projetos será a Urbtec Engenharia, Planejamento e Consultoria Ltda, que agora tem 30 dias para definir o plano de trabalho e o cronograma físico de execução.

A arquiteta do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Ponta Grossa (Iplan) Karla Stamoulis explica que a Prefeitura irá constituir uma equipe técnica municipal envolvendo diversas secretarias e conselhos para discutir os aspectos levantados pela empresa. “A nomeação dos representantes será definida nos próximos dias, já que deverão ser realizadas reuniões com a Urbtec já para elaborar o plano de trabalho dos projetos”, aponta a arquiteta do Iplan, que também destaca o caráter participativo dos planos através de oficinas em todos os bairros da cidade.

O processo licitatório gerou uma economia de mais de R$ 270 mil, e o investimento do Município será de R$ 1,45 milhão. O presidente do Iplan, Ciro Ribas Jr., lembra que uma primeira contratação já havia sido feita, mas a empresa alegou dificuldades em cumprir o contrato, que foi rescindido. “O trabalho já realizado não será perdido, pois será utilizado como base nesta revisão”, afirma Ribas, que ressalta que a UrbTec tem o prazo de 340 dias para a finalização dos documentos.

Na cerimônia o prefeito Marcelo Rangel destacou o trabalho das arquitetas Karla Stamoulis, Rafaela Sangalli e Jamile Salim, que coordenaram a revisão do Plano Diretor nos últimos anos. “Esse documento é importantíssimo por pensar no planejamento da cidade, que está passando por uma fase de grande desenvolvimento econômico. Vamos projetar a Ponta Grossa que queremos ter no futuro, pensando no crescimento ordenado e estrutural do município”, avalia Rangel.

O secretário municipal de Governo, Mauricio Silva, lembrou que antigamente o Plano Diretor era desenvolvido pela Câmara de Vereadores. “A visão política se destoa da ambiental e técnica, por exemplo. Ponta Grossa cresceu sem planejamento, mas está evoluindo nesse quesito e é importante que esses planos, ainda que sejam válidos por 10 anos, sejam pensados para daqui 30, 40 anos”, disse Silva.

O diretor da Urbtec, Gustavo Taniguchi, destacou a experiência da empresa na elaboração de projetos voltados a cidades. “Nós já prestamos consultoria para diversos municípios, como Cidade do Leste, no Paraguai, Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, e agora iremos usar a nossa experiência para projetar uma Ponta Grossa ainda melhor”, enfatizou Taniguchi.
Também participaram da cerimônia de assinatura do contrato Zulma Chussel, da UrbTec, a equipe do Iplan, o secretário de Infraestrutura e Planejamento (SMIP), Celso Sant’Anna e o diretor administrativo da SMIP, Bruno Carvalho.

Planos complementares

Segundo o Estatuto das Cidades, disposto na Lei Federal nº 10.257/2001, o Plano Diretor é o instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana, parte integrante do processo de planejamento municipal. Conforme explica o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Ponta Grossa (Iplan), Ciro Ribas Jr., o PD organiza o crescimento da cidade e orienta as prioridades de investimentos.

“Para aproveitar a revisão do PD também desenvolvemos o projeto do Planmob, que irá projetar a otimização da mobilidade urbana da cidade. Ambos serão elaborados simultaneamente, completando-se e utilizando a participação da sociedade através de audiências públicas e oficinas que serão previamente divulgadas”, ressalta Ribas.

 

Fonte: http://www.pontagrossa.pr.gov.br/node/38760

Prefeitura inicia licitação do Plano Diretor e do Plano de Mobilidade Urbana

Por Millena Sartori

Foi aberta hoje (23) a licitação que irá definir a empresa responsável pelos serviços especializados de consultoria para a revisão do Plano Diretor (PD) e elaboração do Plano de Mobilidade Urbana (Planmob). Apenas uma empresa participou do processo licitatório, que terá sequência em outra reunião que será marcada após a análise documental.

Segundo o Estatuto das Cidades, disposto na Lei Federal nº 10.257/2001, o Plano Diretor é o instrumento básico da política de desenvolvimento e expansão urbana, parte integrante do processo de planejamento municipal. Conforme explica o presidente do Instituo de Pesquisa e Planejamento Urbano de Ponta Grossa (Iplan), Ciro Ribas, o PD organiza o crescimento da cidade e orienta as prioridades de investimentos.

“Para aproveitar a revisão do PD também desenvolvemos o projeto do Planmob, que irá projetar a otimização da mobilidade urbana da cidade. Ambos serão elaborados simultaneamente, completando-se e utilizando a participação da sociedade através de audiências públicas e oficinas que serão previamente divulgadas”, ressalta Ribas.

Entenda o processo licitatório – Neste primeiro momento a empresa participante – Urbtec Engenharia, Planejamento e Consultoria Ltda. – entregou três envelopes, mas apenas o primeiro, de habilitação, foi aberto. Ele contém documentos que devem atestar a habilitação jurídica, a regularidade fiscal, a qualificação técnica e a qualificação econômico-financeira da empresa concorrente. Durante os próximos dias a documentação será analisada e posteriormente será marcada uma nova reunião para a abertura dos próximos envelopes; enquanto o segundo contém a proposta técnica o terceiro contém a proposta e preço que, segundo o edital, deve ser de no máximo R$ 1.721.495.

Fonte: http://www.pontagrossa.pr.gov.br/node/38200

Estudos de Impacto de Vizinhança de PG são exemplo para outras cidades

Por Millena Sartori

Na última semana o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Ponta Grossa (Iplan) participou do evento Debate Técnico – Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV): Contribuição à Gestão Urbana, realizado na Universidade Federal do Paraná (UFPR), juntamente a representantes de outras cidades paranaenses.
O órgão da Prefeitura Municipal foi convidado a palestrar sobre o case da cidade, para que a sua aplicação dos EIVs possa servir de modelo na implantação do projeto em outros municípios. As arquitetas e urbanistas Jamile Salim e Karla Stamoulis representaram Ponta Grossa, e após as palestras foi realizado um debate para proporcionar a troca de experiências entre prefeituras.

EIVs – Os Estudos de Impacto de Vizinhança foram criados no ano passado através da Lei nº 12.447, que determina que grandes empreendedores entrem com contrapartidas que funcionem como compensação nas regiões em que serão instalados, ou seja, cada grande empreendimento que irá se instalar na cidade deve oferecer serviços que funcionem como neutralizadores dos impactos causados.
Na prática, são medidas como implantação de sinalizações, paisagismo em áreas próximas, pavimentações em ruas e reformas de escolas, por exemplo. Mas não são todas as novas construções que devem apresentar o estudo: são apenas as que se enquadram no Decreto Municipal 12.951/17, que regulamenta a análise e estabelece os critérios para a aplicação dos EIVs.

Fonte: http://www.pontagrossa.pr.gov.br/node/37622